ESN - As Escrituras Sagradas segundo oNome

www.cyocaminho.com.br

Site Builder

TENHA A VERSÃO IMPRESSA: ADOTE EM SUA CONGREGAÇÃO

Dayan’ul 1

1-2. TRÊS ANOS DEPOIS do começo do reinado do rei Jeoaquim/Yaohu’akin em Yaohu’dah, Nebushadnezar, rei de Bavel, atacou Yah’shua-oleym com o seu grande exército. O CRIADOR deu a Nebushadnezar uma grande vitória sobre o rei Jeoaquim/Yaohu’akin, e quando voltou para Bavel, ele levou alguns dos vasos sagrados que havia no Templo do Criador e os colocou na casa do seu criador, na terra de Sinear.

3-4. Lá, ele mandou Aspenaz, chefe do palácio real, a escolher alguns rapazes entre os yaohu’dins que haviam sido presos em Yah’shua-oleym: rapazes de família real e das famílias ricas e importantes de Yaohu’dah. Eles deveriam aprender a língua, os costumes e a ciência dos caldeus. Escolha rapazes fortes, com boa saúde e de boa aparência disse o rei; eles devem ter boa instrução, boa cultura geral e distinção suficiente para viverem no palácio real.

5. O próprio rei escolheu a comida que devia ser dada aos jovens. Tudo do bom e do melhor, da própria despensa do rei, vinhos e carnes. Eles deveriam se alimentar dessa comida por três anos. Quando terminasse o treinamento, passariam a ser auxiliares do rei.

6. Entre os rapazes escolhidos, estavam Dayan’ul, Hananias/Khanam’yah, Azarias/Ozor’yah e Mizael/Mi-shua’ul, todos eles da tribo de Yaohu’dah. 

7. Mas Aspenaz, chefe do pessoal do palácio, deu aos quatro rapazes outros nomes: O nome de Dayan’ul passou a ser Beltessazar; o de Khanam’yah, Sadraque; o de Mishua’ul, Mesaque; o de Ozor’yah, Abednego.

8. Daniel/Dayan’ul decidiu que nunca iria comer a comida ou beber os vinhos que o rei havia dado aos rapazes, porque eram coisas imundas para os yaohu’dins. Ele pediu ao chefe dos empregados para comer outras coisas. 

9. Sem Daniel/Dayan’ul saber, o CRIADOR tinha colocado no coração do supervisor uma admiração e interesse especiais por ele. 

10. Apesar disso, Aspenaz ficou alarmado com a sugestão de Daniel/Dayan’ul. Eu tenho medo! O rei já determinou o que vocês devem comer. Se ele os vir magros e fracos em comparação com os outros rapazes da sua idade, vai mandar cortar a minha cabeça porque não obedeci as ordens que ele me deu! 

11-12. Daniel/Dayan’ul procurou o mordomo que o chefe tinha indicado para cuidar dele, de Hananias/Kha-nam’yah, de Mishua’ul e Azarias/Ozor’yah, e sugeriu que durante dez dias eles comessem apenas legumes e só bebessem água. 

13. Quando terminassem os dez dias, o mordomo poderia comparar os quatro com os outros rapazes que comiam a comida fina dada pelo rei, e decidir se deveria ou não deixar que os quatro continuassem em sua dieta especial.

14. O mordomo acabou concordando com a sugestão. 

15. Dez dias depois, Daniel/Dayan’ul e seus três amigos estavam com melhor aparência, mais fortes e saudáveis que os rapazes que haviam comido das comidas finas dadas pelo rei! 

16. Depois disso, o mordomo só lhes deu os legumes e água, deixando de lado as comidas pesadas e os vinhos dados pelo rei.

17. O CRIADOR deu aos quatro rapazes uma capacidade de aprender fora do comum, e logo eles conheciam muito bem toda a literatura e a ciência de sua época. Além disso, o CRIADOR deu a Daniel/Dayan’ul uma capacidade especial para compreender os significados dos sonhos e visões.

18-19. Quando os três anos de treinamento terminaram, o chefe dos empregados levou todos os rapazes diante do rei, conforme as ordens que tinha recebido. O rei Nebushadnezar conversou longamente com cada um deles, mas nenhum dos rapazes o impressionou tanto quanto Daniel/Dayan’ul, Hananias/Khanam’yah, Mishua’ul e Azarias/Ozor’yah. Por isso, eles passaram a fazer parte do grupo de conselheiros do rei. 

20. Em todos os assuntos que exigiam conhecimento e capacidade de julgar, o rei descobriu que os conselhos daqueles quatro rapazes eram melhores que dos outros mágicos e astrólogos do seu reino.

21. Daniel/Dayan’ul continuou no cargo de conselheiro do rei até o primeiro ano do reinado de Ciro/Kerosh.

Dayan’ul 2

1-3. CERTA NOITE, NO segundo ano de seu reinado, Nebushadnezar teve um pesadelo. Acordou com muito medo e perdeu o sono. Para piorar a situação, ele não conseguia se lembrar do sonho! Imediatamente, mandou chamar os mágicos, os encantadores, os feiticeiros e astrólogos e ordenou que eles lhe dissessem qual tinha sido o seu sonho. Eu tive um pesadelo terrível disse Nebushadnezar e não consigo me lembrar dele. Contem-me o meu sonho porque eu tenho medo de que alguma coisa muito ruim me aconteça.

4. Então, os astrólogos, falando em aramaico, disseram ao rei: CRIADOR, conte-nos o sonho e então poderemos dizer qual o seu significado.

5. Mas o rei respondeu: Já lhes disse que não lembro qual foi o sonho. Se vocês não me disserem qual foi o sonho e qual o seu significado, eu arrancarei os seus ossos, um por um, e destruirei completamente suas casas! 

6. Mas, se vocês me contarem o sonho e explicarem o significado, eu lhes darei grandes prêmios e muitas honras. Vamos, digam-me!

7. Eles replicaram ao rei: Como podemos explicar o significado do sonho, se o mestre [maoro’eh] não nos disser como ele foi?

8-9. E o rei respondeu: Já descobri o seu plano! Vocês estão tentando ganhar tempo até que me aconteça o mal que o sonho previa. Mas se vocês não podem me dizer qual foi o sonho, como pensam que vou acreditar na interpretação que fizerem dele?

10. Os caldeus responderam ao rei: Não há ninguém em todo o mundo, que possa dizer a uma outra pessoa o que ela sonhou! E nenhum rei deste mundo pediria isso! 

11. O que o rei está exigindo é impossível. Ninguém pode lhe contar o seu sonho. Só os ídolos, e eles não vivem entre nós, para ajudar a resolver esse problema.

12. Quando o rei ouviu esta resposta, ficou cheio de ira e mandou matar todos os sábios de Bavel. 

13. Daniel/Dayan’ul e seus amigos foram procurados para serem mortos junto com os outros.

14. Mas quando Arioque, que estava encarregado de matar os sábios, veio procurar os quatro, Daniel/Dayan’ul, com muita sabedoria, perguntou a ele: 

15. Por que o rei está tão furioso? O que aconteceu? Então Arioque lhe contou tudo o que havia acontecido.

16. Daniel/Dayan’ul foi ver o rei. Dê-me um pouco de tempo, mestre [maoro’eh]. Eu lhe contarei o sonho e o seu significado.

17. Então Daniel/Dayan’ul foi para casa e contou o caso a seus amigos Hananias/Khanam’yah, Mishua’ul e Azarias/Ozor’yah. 

18. Juntos, eles pediram misericórdia ao UL do Céu, pediram que o CRIADOR lhes revelasse o segredo, para não morrerem junto com os outros sábios da Bavel. 

19. Naquela noite, o CRIADOR revelou a Dayan’ul o sonho do rei e seu significado. Daniel/Dayan’ul louvou ao CRIADOR, dizendo: 

20. Bendito seja o nome do ETERNO, para sempre, porque só Ele tem sabedoria e poder. 

21. Ele controla tudo que acontece na terra. Ele derruba os reis de seus tronos e coloca outros em seu lugar. É Ele quem dá sabedoria aos sábios e inteligência aos que estudam. 

22. Ele revela mistérios profundos, que o homem não pode conhecer. Ele conhece tudo o que está escondido, porque ele é luz e a escuridão não O atrapalha. 

23. Ó CRIADOR de meus pais, eu lhe digo ‘Muito obrigado’. Eu louvo o seu nome porque o CRIADOR me deu sabedoria e poder. E também porque agora o CRIADOR me mostrou aquilo que pedimos, o sonho do rei e o seu significado.

24. Então Daniel/Dayan’ul procurou Arioque, que estava encarregado de matar todos os sábios de Bavel e disse: Não mate esses homens. Leve-me ao rei e eu direi o que ele deseja saber.

25. Arioque, mais que depressa levou Daniel/Dayan’ul à presença do rei, dizendo: Encontrei um judaico que vai revelar o seu sonho, mestre [maoro’eh] rei! 

26. O rei falou a Daniel/Dayan’ul: Isso é verdade? Você pode me dizer qual foi o meu sonho e o que ele significa?

27-28. Daniel/Dayan’ul respondeu: Nenhum sábio, astrólogo, mágico ou adivinho poderia revelar isso ao rei, mas há um CRIADOR nos céus que revela segredos. Ele contou ao rei, nesse sonho o que vai acontecer no futuro. O sonho, mestre [maoro’eh] rei, foi o seguinte: 

29. O rei sonhou com acontecimentos futuros. Aquele que revela os segredos mostrou ao mestre [maoro’eh] o que vai acontecer. 

30. (Lembre-se, mestre [maoro’eh], de que conheço este segredo não porque eu seja melhor ou mais sábio que outros homens, mas porque o CRIADOR me revelou para o benefício do rei. Para o mestre [maoro’eh] entender seus pensamentos).

31. Rei Nebushadnezar, o mestre [maoro’eh] viu uma grande imagem, uma estátua de homem. A estátua brilhava muito e causava medo e espanto ao rei.

32-33. A cabeça da estátua era feita de ouro puro; o peito e os braços eram feitos de prata; a barriga e as coxas de bronze; as pernas eram feitas de ferro, e os pés eram feitos, parte de ferro e parte de barro. 

34. Enquanto o rei olhava para a estátua, uma Pedra foi cortada na Rocha, sem o uso de força humana. Essa Pedra caiu sobre os pés de ferro e barro da estátua e os destruiu. 

35. Então toda a estátua veio abaixo, numa mistura de ferro, barro, bronze, prata e ouro. Tudo ficou reduzido a pó, que foi espalhado pelo vento; nada sobrou. Mas a Pedra que tinha destruído a estátua cresceu e se tornou uma grande Montanha, que ocupou toda a Terra.

36. Este foi o sonho. Agora, mestre [maoro’eh], ouça a interpretação: 

37. Majestade, o mestre [maoro’eh] é um grande rei, domina sobre muitas nações, pois o UL dos Céus lhe deu o reino, o poder, a força e a glória. 

38. O mestre [maoro’eh] reina sobre os lugares mais distantes do mundo, até mesmo sobre os animais e as aves, porque o CRIADOR assim mandou. O mestre [maoro’eh], rei Nebushadnezar, é a cabeça de ouro.

39. Mas, quando o seu reino terminar, outra grande nação dominará o mundo. Esse reino será inferior ao seu. Depois que esse reino cair, uma terceira nação dominará toda a terra, representada pela barriga e pelas coxas de bronze da estátua. 

40. A seguir, o quarto reino, que será forte como o ferro: esse reino vai ferir, esmagar e conquistar outras nações. 

41-42. Os pés e dedos que o rei viu: feitos de uma mistura de ferro e barro, mostram que, mais tarde, esse reino será dividido. Algumas de suas partes serão fortes como ferro, e outras fracas como o barro. 

43. Essa mistura de ferro e barro também mostra que os reinos procurarão se fortalecer através do casamento entre os seus líderes. Mas isso não dará certo porque ferro e barro não se misturam.

44. Mas quando esses reis estiverem no poder, o UL do céu estabelecerá um Reino sobre a Terra que nunca será destruído; nenhuma nação conquistará esse reino. Ele reduzirá os outros reinos a nada, e ficará firme para sempre. 

45. Este é o significado da Pedra que foi cortada da Rocha sem uso de força humana: a Pedra que reduziu a pó todo o ferro, o bronze, o barro, a prata e o ouro. O Grande CRIADOR revelou ao rei o que vai acontecer no futuro. Essa interpretação do sonho ao rei é tão segura e certa, como a descrição que fiz dele. 

46. Admirado, o rei Nebushadnezar se ajoelhou diante de Daniel/Dayan’ul e colocou o seu rosto em terra. Ordenou que seus servos fizessem ofertas especiais e queimassem incenso diante de Daniel/Dayan’ul.

47. É verdade, Daniel/Dayan’ul, disse o rei. O seu UL é o UL dos ídolos, o CRIADOR dos reis, o Revelador de mistérios, porque Ele revelou a você este segredo.

48. Depois disso, o rei fez com que Daniel/Dayan’ul se tornasse famoso e respeitado. Deu a ele muitos presentes valiosos e escolheu Daniel/Dayan’ul para ser governador da província de Bavel. Além disso, Daniel/Dayan’ul foi escolhido para chefe de todos os sábios.

49. A pedido de Daniel/Dayan’ul, o rei indicou Sadraque, Mesaque e Abednego para seus auxiliares, responsáveis pelos negócios da província da Bavel. Daniel/Dayan’ul permaneceu no palácio real.

Dayan’ul 3

1-2. O REI NEBUSHADNEZAR fez uma estátua de ouro, que tinha quase 30 metros de altura por três de largura, e a colocou na planície de Dura, na província de Bavel; depois disso, mandou mensagens a todos os príncipes, governadores, capitães, tesoureiros, juízes, conselheiros e oficiais das províncias para que viessem à festa de dedicação da estátua feita pelo rei. 

3. Quando todos os convidados tinham chegado e se reunido diante da estátua, 

4. O homem que anunciava as ordens do rei gritou: Povos de toda a terra, homens de todas as línguas, ouçam a ordem do rei: 

5. Quando os instrumentos começarem a tocar, todos devem se curvar até o chão e adorar a imagem de ouro que o rei Nebushadnezar construiu. 

6. Qualquer pessoa que não fizer isso será imediatamente jogada na grande fornalha acesa.

7. Assim, quando os instrumentos começaram a tocar, todos aqueles homens: de todo povo, nação, ou língua: se curvaram até o chão e adoraram a estátua de ouro do rei Nebushadnezar.

8. Mas alguns oficiais foram até onde estava o rei e acusaram os yaohu’dins de não adorar a estátua!

9. Majestade! disseram eles ao rei, 

10. O mestre [maoro’eh] baixou uma lei dizendo que todos devem se curvar e adorar a estátua de ouro quando os instrumentos começarem a tocar, li e que qualquer pessoa que se recusar, será jogada na grande fornalha acesa. 

12. Há alguns yaohu’dins: Sadraque, Mesaque e Abednego, aos quais o rei entregou os negócios da província de Bavel: que desobedeceram suas ordens e se recusaram a servir os ídolos do rei e a adorar a estátua de ouro que o mestre [maoro’eh] levantou.

13. Então, Nebushadnezar, terrivelmente zangado, mandou seus servos trazerem Sadraque, Mesaque e Abednego perante ele.

14. É verdade, Sadraque, Mesaque e Abednego, perguntou o rei, que vocês se recusam a servir meus ídolos e adorar a estátua de ouro que eu mandei construir?

15. Vou dar mais uma oportunidade. Quando a música for tocada, se vocês se curvarem e adorarem a estátua, nada lhes acontecerá. Mas, se vocês não fizerem isso, serão jogados na grande fornalha acesa imediatamente. E qual é o Criador que vai poder livrar vocês de minhas mãos?

16. Sadraque, Mesaque e Abednego responderam: Rei Nebushadnezar, nós não precisamos responder a essa pergunta.

17. Se o nosso UL, a quem nós servimos, quiser nos livrar, Ele nos livrará da grande fornalha e também das suas mãos, óh rei. 

18. Mas se Ele não quiser, mesmo assim, mestre [maoro’eh], nós nunca serviremos os seus ídolos nem adoraremos a estátua de ouro que o mestre [maoro’eh] levantou.

19. Nebushadnezar já estava estourando de raiva e pelo seu rosto se via que ele ia mandar matar os três yaohu’dins, Sadraque, Mesaque e Abednego. Ordenou aos seus servos que a fornalha fosse esquentada sete vezes mais que o normal! 

20. Chamou os homens mais fortes de seu exército e mandou amarrar Sadraque, Mesaque e Abednego e os jogar na grande fornalha.

21. Assim, os três foram bem amarrados com cordas e jogados dentro da grande fornalha. 

22. O fogo, por causa da ordem do rei, estava tão forte que matou os soldados que jogaram os três yaohu’dins na fornalha! 

23. Sadraque, Mesaque e Abednego caíram amarrados dentro das chamas terríveis da grande fornalha.

24. Então, o rei Nebushadnezar, que assistia a tudo, se levantou espantado e perguntou aos seus conselheiros: Nós não jogamos três homens no fogo? Sim, responderam eles, sem dúvida, Majestade.

25. Mas olhem! gritou o rei Nebushadnezar. Eu estou vendo quatro homens, soltos, andando pelo fogo. E nem se queimaram com as chamas! Além disso, o quarto Homem parece ser um Filho de UL’HIM! 

26. Nebushadnezar se aproximou o máximo possível da grande fornalha e gritou: Sadraque, Mesaque e Abednego, servos do Grande CRIADOR, saiam da fornalha! Então os três saíram do meio do fogo.

27. Todos os príncipes, governadores, oficiais e conselheiros se ajuntaram à volta de Sadraque, Mesaque e Abednego e viram que o fogo não tinha sequer tocado neles: que nem um fio de cabelo havia sido queimado! As suas roupas não estavam queimadas! Nem cheiro de fumaça havia neles!

28. Então Nebushadnezar disse: Bendito seja o UL de Sadraque, Mesaque e Abednego, porque Ele mandou o seu ANJO para salvar seus servos fiéis, que não quiseram obedecer às ordens do rei e preferiram morrer a adorar um ídolo! 

29. Por causa disso, eu baixo este decreto: se qualquer pessoa, de qualquer povo, nação, ou língua, falar uma palavra contra o UL de Sadraque, Mesaque e Abednego, será cortada em pedaços e sua casa completamente destruída. Porque nenhum outro UL pode fazer o que Ele faz.

30. Depois disso o rei promoveu Sadraque, Mesaque e Abednego. Eles se tornaram homens importantes na província de Bavel.

Dayan’ul 4

1. ESTA É A PROCLAMAÇÃO que o rei Nebushadnezar enviou a todos os povos, de todas as línguas, em todo o mundo: Saudações! Paz a todos!

2. Quero que todos saibam dos sinais e maravilhas que o Grande CRIADOR fez comigo. 

3. É quase impossível acreditar: foi um grande milagre! Agora eu tenho certeza de que o seu reino é eterno. Agora sei que Ele reina para sempre!

4. Eu, Nebushadnezar, vivia tranquilo e feliz no meu palácio. 

5. Certa noite tive um sonho que me deixou muito assustado. 

6-7. Chamei ao palácio todos os sábios de Bavel para me dizerem o significado do sonho, mas quando chegaram – os mágicos, encantadores astrólogos, e adivinhos: e eu contei meu sonho, nenhum deles foi capaz de me dizer o que significava. 

8. Finalmente, apareceu Daniel/Dayan’ul – a quem eu chamei Beltessazar, em honra ao meu ídolo: O homem em quem há o espírito dos ídolos. Então eu contei a ele o meu sonho.

9. Disse a ele: Beltessazar, chefe dos magos, sei que o espírito dos ídolos está em você, e que nenhum mistério é difícil demais para você; explique a visão que vi no meu sonho, com a sua interpretação. Escute: 

10-11. Eu vi uma grande árvore num campo. Essa árvore crescia sem parar, forte e alta, até que podia ser vista em todo o mundo. 

12. As folhas da árvore eram bem verdes e bonitas, seus ramos estavam carregados de frutos, bastante para todos se alimentarem. Os animais do campo vinham descansar à sombra da árvore e as aves faziam seus ninhos em seus ramos. 

13. Então, deitado em minha cama, vi um dos Anjos de UL’HIM descendo do céu.

14-15. Ele gritou: Derrubem a árvore; cortem os seus ramos, arranquem suas folhas e espalhem os seus frutos. Espantem os animais da sua sombra e tirem as aves dos seus ramos, mas deixem as raízes e o tronco, amarrado com uma grossa corrente de ferro e bronze, cercado de erva. Ele ficará molhado com o orvalho do céu e vai se alimentar da erva do campo, como os animais! 

16. Durante sete anos, terá pensamentos de animal, em vez de pensamentos de homem. 

17. Isso foi decretado pelos Vigilantes, por ordem dos santos Anjos. O decreto foi dado para que todos os homens saibam que o Grande CRIADOR domina sobre os reinos do mundo: Ele dá os reinos a quem bem entende, até ao mais humilde dos homens!

18. Este, Beltessazar, foi o meu sonho. Agora, diga-me o seu significado. Ninguém mais pode me ajudar na interpretação. Todos os sábios do meu reino falharam. Mas eu sei que você pode responder, porque o espírito dos ídolos vive em você.

19. Então Daniel/Dayan’ul, que eu chamava de Beltessazar, ficou por algum tempo sentado em silêncio, perturbado pelo sonho. Finalmente, eu disse: Beltessazar, não tenha medo de me contar o significado do sonho. Daniel/Dayan’ul respondeu: Majestade, gostaria que os acontecimentos revelados pelo sonho fossem destinados aos seus inimigos, e não ao rei! 

20-22. A árvore que o rei viu crescer até os céus, que era vista por todo o mundo, com suas belas folhas verdes, com os ramos carregados de frutos, dando sombra aos animais e ninho às aves aquela árvore, majestade, é o mestre [maoro’eh] mesmo. O mestre [maoro’eh] cresceu e se tornou muito forte. A sua grandeza chega até o céu e o seu reino até os confins da terra.

23. Então, majestade, o mestre [maoro’eh] viu um Anjo de UL’HIM descendo do céu e gritando: Cortem e destruam a árvore, mas deixem o tronco e as raízes, cercados de erva, amarrados com uma grossa corrente de ferro e bronze. Ele ficará molhado do orvalho do céu e durante sete anos comerá erva como os animais!

24. Majestade, foi o Grande CRIADOR quem deu essa ordem. Isso vai acontecer, sem dúvida! 

25. O mestre [maoro’eh] será expulso do palácio e vai viver pelos campos, como um animal, comendo capim como um boi, molhado pelo orvalho da noite. E assim o mestre [maoro’eh] vai viver durante sete anos, até aprender que o Grande CRIADOR é o dono de todos os reinos dos homens, que Ele dá o poder a quem bem entende. 

26. Mas as raízes e o tronco ficaram na terra! Isso significa que o mestre [maoro’eh] receberá o seu reino de volta, depois de aprender que o Céu domina sobre a terra.

27. Rei Nebushadnezar, escute o que eu digo: pare de pecar! Faça o que o mestre [maoro’eh] já sabe que é certo! Nada de injustiça! Tenha pena dos pobres, seja bom para eles. Quem sabe assim o CRIADOR terá pena do mestre [maoro’eh] e não o castigará.

28. Mas tudo isso acabou acontecendo mesmo ao rei Nebushadnezar.

29-30. Um ano depois do sonho, ele estava passeando, pelo terraço do palácio real, dizendo, cheio de orgulho: Eu mesmo, com o meu grande poder construí esta bela cidade de Bavel para ser minha casa, a capital do meu grande império.

31. Ele ainda estava falando quando ouviu uma voz, que vinha do céu: Rei Nebushadnezar, esta mensagem é para você: Você já não é o rei deste grande império! 

32. Você será expulso do seu palácio e vai viver cm os animais do campo; vai comer capim como os bois durante sete anos, até compreender que o CRIADOR é quem domina sobre os reinos da terra e os entrega a quem Ele mesmo quer.

33. E naquela mesma hora a profecia se cumpriu. Nebushadnezar foi expulso do seu palácio e passou a comer capim como os bois. Vivendo ao ar livre, ficou molhado com o orvalho da noite. Seu cabelo cresceu como penas de águias e as suas unhas ficaram enormes como unhas de pássaros.

34. Ao fim daqueles sete anos, eu, Nebushadnezar, olhei o Céu, minha mente voltou a funcionar como mente de homem e eu louvei e adorei o Grande CRIADOR, e dei glória Àquele que vive para sempre, cujo domínio é eterno e cujo reino dura para sempre. 

35. Quando comparamos a Ele todos os moradores da terra, eles não valem nada. Ele é tão poderoso que faz o que quer com os Anjos e com os moradores deste mundo. Não há ninguém capaz de fazê-Lo parar. Ninguém pode dizer a Ele: O CRIADOR não pode fazer isso! 

36. Quando minha mente voltou ao normal, recebi de volta a minha honra, o meu poder e o meu reino. Meus conselheiros e auxiliares me procuraram e fui novamente proclamado rei, com muito mais honra do que antes.

37. Por isso, agora, eu, Nebushadnezar, louvo, glorifico e honro o Rei do Céu, o grande Juiz, porque todos os seus atos são justos e bons. Ele pode humilhar os orgulhosos, fazendo-os arrastar-se no pó.

Dayan’ul 5

1. O REI BELSAZAR organizou uma grande festa e convidou mil homens importantes do seu reino. Nessa festa, o vinho correu livremente. 

2-4. Durante a festa, enquanto todos bebiam, Belsazar se lembrou dos vasos de ouro e prata que haviam sido levados para Bavel muitos anos antes, por Nebushadnezar, quando ele destruiu o Templo em Yah’shua-oleym. Belsazar ordenou que as taças e vasos fossem trazidos para a festa, e quando chegaram, ele, os príncipes e suas mulheres beberam, usando as taças sagradas para fazer votos e louvores aos seus ídolos, feitos de ouro e prata, bronze e ferro, madeira e pedra.

5. De repente, enquanto eles bebiam nas taças sagradas, todos viram uns dedos de mão de homem, escrevendo algo na parede do palácio que ficava em frente às lâmpadas! E o rei viu claramente os dedos escrevendo! 

6. O seu rosto ficou branco por causa do medo. Ele ficou tão apavorado que seus joelhos batiam um contra o outro e suas pernas ficaram bambas!

7. Tragam os encantadores e astrólogos! ...ele gritou. Tragam os adivinhos! Qualquer pessoa que conseguir ler o que está escrito na parede e me disser o significado daquelas palavras, será vestida com a roupa real, feita de púrpura. No seu pescoço será colocada uma corrente de ouro, e ela se tornará a terceira autoridade do reino! 

8. Mas quando os magos e adivinhos chegaram, nenhum deles conseguiu entender a mensagem, ou dizer ao rei o seu significado.

9. O rei estava ficando cada vez mais desesperado. O medo que ele sentia era tão grande que chegou a modificar o seu rosto! E toda aquela gente importante também ficou apavorada! 

10. Quando a rainha-mãe soube o que estava acontecendo, correu até à sala do banquete e disse a Belsazar: Acalme-se, Majestade. Não fique tão desesperado por causa disso. 

11. Há um homem no seu reino que tem em si o espírito dos ídolos. Na época de seu pai, esse homem era cheio de inteligência e sabedoria. Ele parecia até ser um criador! No reinado de Nebushadnezar, ele foi nomeado chefe dos magos, magos, encantadores, astrólogos e adivinhos de toda a Bavel. 

12. Chame esse homem, Daniel/Dayan’ul: ou Beltessazar, conforme o rei o chamava: porque ele está cheio da sabedoria e da inteligência divinas. Ele pode interpretar sonhos ou, resolver problemas muito difíceis e solucionar qualquer caso. Ele poderá dizer ao rei o que significam as palavras escritas na parede.

13. Assim, Daniel/Dayan’ul foi levado às pressas à presença do rei, que lhe perguntou: Você é aquele Daniel/Dayan’ul que o rei Nebushadnezar trouxe como escravo? 

14. Ouvi dizer que você tem o espírito dos ídolos, que é um homem iluminado e cheio de inteligência e sabedoria. 

15. Os meus sábios e encantadores tentaram ler as palavras escritas na parece e explicar o que elas significam, mas não conseguiram. 

16. Eu ouvi dizer que você é capaz de resolver qualquer tipo de mistério. Se você me disser o que significam aquelas palavras, eu o vestirei de roupas reais, colocarei no seu pescoço uma corrente de ouro e você passará a ser a terceira autoridade deste reino.

17. Daniel/Dayan’ul respondeu ao rei: Majestade, guarde os seus presentes, ou então ofereça tudo isso a outra pessoa. Eu lhe direi o significado das palavras. 

18. Majestade, o Grande CRIADOR deu ao rei Nebushadnezar, que viveu antes do mestre [maoro’eh], um grande reino, muito poder, honra e glória. 

19. Era tão grande o poder que Nebushadnezar recebeu do ETERNO, que todos os povos tremiam de medo diante dele. Mandava matar quem ele queria e deixava com vida as pessoas de quem gostava. Conforme os caprichos do rei, os homens eram exaltados ou destruídos. 

20. Mas quando o coração de Nebushadnezar ficou cheio de orgulho, o CRIADOR o arrancou de seu trono e acabou com a glória que ele tinha. 

21. Foi expulso do meio dos homens e começou a pensar e agir como um animal; passou a viver com os burros selvagens, comendo capim como os bois. Seu corpo era diariamente coberto com o orvalho, até que entendeu que o Grande CRIADOR domina sobre os reinos dos homens e Ele mesmo escolhe quem quer para governá-los.

22-23. E o mestre [maoro’eh], Rei Belsazar, que reina no mesmo trono, mesmo sabendo de tudo isso, não se humilhou. Mas desafiou o CRIADOR do Céu, e trouxe para esta festa as taças sagradas do Seu TEMPLO. O mestre [maoro’eh], seus convidados, suas esposas e outras mulheres beberam dessas taças enquanto louvavam ídolos feitos de ouro, prata, bronze, ferro, madeira e pedra: ídolos que não vêem nem ouvem, ídolos que não conhecem coisa alguma. Mas nenhum de vocês louvou o UL que dá vida, o UL que controla as suas vidas! 

24-25. Por isso, o CRIADOR mandou aqueles dedos para escrever essa mensagem: MENE, MENE, TEQUEL e PARSIM.

26. E este é o significado da mensagem: MENE significa ‘contado’: O CRIADOR contou os dias do seu reinado, e eles já terminaram.

27. TEQUEL significa ‘pesado’: O mestre [maoro’eh] foi pesado [julgado] na balança do CRIADOR, e não atingiu o peso necessário.

28. PARSIM significa ‘dividido’: O seu reino será dividido e entregue aos medos e aos persas.

29-31. Então, por ordem de Belsazar, Daniel/Dayan’ul foi vestido com as roupas reais, feitas de tecido vermelho. No seu pescoço foi colocada uma corrente de ouro, e ele foi proclamado a terceira autoridade no reino. Naquela mesma noite, Belsazar, rei dos caldeus, foi morto, e Dário, o medo, tomou a cidade de Bavel e começou a reinar, com a idade de sessenta e dois anos.

Dayan’ul 6

1. O REI DÁRIO/DARIÁVESH decidiu dividir seu reino em 120 partes, escolhendo um governador para cada uma. 

2-3. Esses governadores tinham de prestar contas a três presidentes: um deles era Daniel/Dayan’ul: para que o reino fosse bem governado. Em pouco tempo, Daniel/Dayan’ul mostrou que era mais capaz que todos os outros presidentes e governadores. Ele era muito inteligente e sábio, por isso o rei pensava em tornar Daniel/Dayan’ul o primeiro-ministro.

4. Com isso, os outros presidentes e governadores ficaram cheios de inveja. Começaram a procurar alguma coisa de que acusar Daniel/Dayan’ul, um roubo ou desonestidade, mas não acharam nada. Daniel/Dayan’ul era muito fiel e honesto no seu trabalho. Ninguém podia acusá-lo diante do rei. 

5-6. Assim, chegaram à conclusão de que, para acusar Daniel/Dayan’ul só usando a religião dele! Eles se reuniram, foram se encontrar com o rei e disseram: Rei Dário/Dariávesh, nós desejamos ao mestre [maoro’eh] uma vida longa e feliz!

7. Nós, os presidentes, governadores, conselheiros e oficiais, decidimos sem nenhum voto contra, sugerir que o mestre [maoro’eh] crie uma lei, que não possa ser mudada de jeito algum. Essa lei diz que, durante trinta dias, qualquer pessoa que fizer um pedido ao seu criador, ou a outro homem, fora o rei, será jogada na cova dos leões. 

8. Majestade, nós pedimos que o mestre [maoro’eh] assine essa lei, para que ela não possa ser mudada, conforme o costume do medos e persas. As leis assinadas pelos reis nunca podem mudar.

9. Por isso, o rei Dário/Dariávesh assinou a lei.

10. Mas Daniel/Dayan’ul, apesar de ter sabido que o rei havia assinado a lei, foi para casa, e como de costume, ele se ajoelhou para orar, no seu quarto. Esse quarto ficava no segundo andar, com as janelas abertas na direção de Yah’shua-oleym. Ali, Daniel/Dayan’ul orava de joelhos, três vezes por dia, dando graças ao seu UL.

11. Os presidentes e governadores foram juntos à casa de Dayan’ul. Lá encontraram Daniel/Dayan’ul orando, fazendo pedidos ao seu UL. 

12. Correram de volta ao palácio e disseram ao rei: Majestade, o mestre [maoro’eh] não assinou uma lei que proíbe qualquer pedido a qualquer criador ou homem: a não ser o rei: durante trinta dias? E quem desobedecesse essa lei seria jogado na cova dos leões? Sim, respondeu o rei.É uma lei que não pode ser mudada, assinada pelo rei da Média e da Pérsia.

13-15. Então eles disseram ao rei: Daniel/Dayan’ul, esse escravo judaico, não está dando a menor importância à lei, nem ao mestre [maoro’eh], Majestade. Ele faz pedidos ao UL dele, três vezes por dia. Quando o rei ouviu isso, ficou furioso consigo mesmo, por ter assinado a tal lei e decidiu fazer todo o possível para salvar Daniel/Dayan’ul. Por isso, passou o resto do dia tentando encontrar um jeito de salvar Daniel/Dayan’ul. À noite, os governadores voltaram juntos ao palácio e insistiram com o rei. Majestade, é costume do nosso povo: uma lei assinada pelo rei não pode ser mudada. O mestre [maoro’eh] não pode fazer nada, não adianta.

16. Afinal, o rei assinou a ordem para prenderem Daniel/Dayan’ul, que assim, foi levado até à cova dos leões. Lá, o rei disse a Daniel/Dayan’ul: Eu espero que o seu UL, a quem você sempre serve e adora, o salve dos leões. Então Daniel/Dayan’ul foi jogado na cova. 

17. Uma pedra foi colocada na entrada da cova e o rei marcou a pedra com o seu anel e com o selo do reino, para ninguém tirar Daniel/Dayan’ul dali.

18. Depois disso, o rei voltou ao palácio. Perdeu o apetite e foi deitar sem comer. Não quis se divertir ouvindo música, como de costume, perdeu o sono e ficou acordado a noite inteira. 

19-20. Bem cedinho, o rei correu à cova dos leões e cheio, de tristeza, gritou: Daniel/Dayan’ul, servo do UL Vivo, será que o seu UL, a quem você adora, foi capaz de salvá-lo dos leões?

21-22. Foi então que o rei ouviu uma voz: Majestade, eu lhe desejo uma vida longa e feliz! Era Dayan’ul! O meu UL mandou o seu ANJO, para fechar as bocas dos leões. Eles não me tocaram! Isso porque eu sou inocente diante do ETERNO: e contra o mestre [maoro’eh] também, rei Dário/Dariávesh, eu não cometi crime algum.

23-24. O rei ficou cheio de alegria! Mandou que tirassem Daniel/Dayan’ul da cova; não havia o menor arranhão nele, porque tinha confiado no seu UL. Então o rei Dário/Dariávesh deu uma nova ordem, para trazerem os homens que com maldade haviam acusado Daniel/Dayan’ul. Eles e suas famílias foram jogados na cova dos leões. Antes que chegassem no fundo da cova, os leões se jogaram contra eles e todos foram comidos.

25-26. Depois de tudo isso o rei Dário/Dariávesh escreveu outra mensagem, que foi anunciada em todo o seu reino. Paz para todos! Eu decreto que todos, em todo o meu reino, respeitem o UL de Daniel/Dayan’ul. Ele é o UL vivo, o UL que nunca muda. O seu reino nunca será destruído e o Seu poder nunca acabará. 

27-28. Ele liberta e salva o SEU POVO, e não deixa que sejam mortos. Ele faz grandes milagres no céu e na terra. Foi Ele quem livrou Daniel/Dayan’ul dos leões. Assim, Daniel/Dayan’ul continuou sendo uma autoridade importante durante os reinados de Dário/Dariávesh e de Ciro/Kerosh, o persa.

Dayan’ul 7

1. CERTA NOITE, DURANTE o primeiro ano do reinado de Belsazar em Bavel, Dayan’ul teve um sonho, trazendo visões à sua mente. Ele escreveu o que viu e aqui está a sua visão: 

2. No meu sonho vi uma grande tempestade no mar, os ventos soprando de todos os lados. 

3. Quatro grandes animais, todos diferentes, saíam de dentro do mar. 

4. O primeiro parecia um leão, mas tinha asas de águia! Eu continuei a olhar para ele e vi que as asas foram arrancadas. Ele não podia mais voar, mas se levantou como um homem e ganhou uma mente humana. 

5. O segundo animal parecia um urso, com uma das patas levantada, pronto para atacar. Na sua boca havia três costelas e eu ouvi uma voz dizendo ao animal: Levante-se! Mate e coma muita gente! 

6. O terceiro desses animais estranhos parecia um leopardo, mas tinha asas de ave nas costas; além disso, tinha quatro cabeças! Esse animal recebeu um grande poder sobre o mundo.

7. Enquanto continuava a sonhar, um quarto animal apareceu saindo de dentro do mar, muito forte. Tão terrível e medonho que nem posso contar como ele era! Esse animal tinha dentes de ferro; antes de comer alguma coisa, rasgava-a em pedaços com os dentes. O que ele não comia, pisava e esmagava com os pés. Ele era muito mais feroz que os outros três animais e tinha dez chifres.

8. Comecei a prestar atenção aos chifres e de repente, apareceu outro pequeno chifre entre eles. Três chifres foram arrancados para dar lugar ao pequeno, que tinha olhos de homem e uma boca muito atrevida.

9. Continuei a olhar e vi uns tronos sendo colocados. O Ancião de Dias – o Grande CRIADOR: Se assentou. A sua roupa era branca como neve e o seu cabelo era branco, muito branco. Ele estava sentado num trono de fogo, que se movia sobre rodas também feitas de fogo. 

10. Defronte dEle nascia e corria um rio de fogo. Milhões de Anjos O serviam e centenas de milhões de pessoas estavam diante dEle, para serem julgadas. O tribunal foi instalado e os Livros foram abertos.

11. Continuei olhando e vi que o quarto animal, tão violento, tinha sido morto e o seu corpo tinha sido entregue para ser queimado. Tudo isso porque o pequeno chifre havia ofendido terrivelmente o Grande CRIADOR. 

12. Quanto aos outros três animais, eles perderam seus reinos, mas puderam continuar vivos por mais algum tempo.

13. Depois disso, vi um Homem chegar: pelo menos parecia um Homem – no meio das nuvens do céu. Aproximou-se do Ancião de Dias e foi apresentado a Ele. 

14. Esse Homem recebeu glória e poder para dominar todas as nações do mundo. Todos os homens, de todos os povos, deviam obedecer a Ele. O poder que Ele recebeu é eterno: nunca terminará. O seu reino nunca será destruído.

15. Eu fiquei muito confuso e perturbado com o que vi (Dayan’ul é quem está escrevendo). 

16. Por isso cheguei perto de uma das pessoas que estavam perto do trono e perguntei o que significava tudo aquilo. Então ele me explicou.

17. Esses quatro grandes animais representam quatro reis que vão dominar a terra.

18. Mas, perto do fim dos tempos o povo do Grande CRIADOR vai dominar todos os outros do mundo, para sempre e eternamente.

19. Eu estava muito curioso sobre aquele quarto animal, feroz e violento, que tinha dentes de ferro e unhas de bronze, o animal que pisava suas vítimas até mata-las. 

20. Perguntei sobre ele e também sobre aqueles dez chifres. Além disso, quis saber sobre o pequeno chifre que apareceu depois e destruiu três dos dez: O chifre que tinha olhos e falava com muito atrevimento, que parecia ser mais forte que os outros dez. 

21-22. Enquanto eu olhava, vi aquele pequeno chifre lutar contra o povo do ETERNO e vencer, até que o Ancião de Dias instalou o seu tribunal e fez justiça ao Seu Povo, dando a ele o governo de toda a terra.

23. Então a pessoa com quem eu estava conversando respondeu: O quarto animal é a quarta grande nação que dominará a terra. Ele será muito mais violento que os outros. Vai devorar todo o mundo, destruindo tudo o que estiver em seu caminho. 

24. Os dez chifres desse animal são dez reis que vão aparecer desse império. Então, vai entrar em cena um outro rei, ainda mais cruel que os outros dez. Ele vai destruir três dos dez reis. 

25. Vai desafiar o Grande CRIADOR e maltratar o povo do ETERNO com perseguições e fará planos para mudar todas as leis, os costumes dos povos e os padrões morais. Durante três anos e meio, fará o que bem entender com o povo do ETERNO.

26. Mas quando o Ancião de Dias instalar o seu tribunal, vai tirar desse rei todo o seu poder, para acabar com ele de uma vez por todas. 

27. Então todas as nações da terra, todas as suas riquezas, eternamente serão dadas ao povo do CRIADOR.

28 E assim terminou o meu sonho. Quando acordei, fiquei muito perturbado, branco de medo, mas não contei a ninguém o que tinha visto.

Dayan’ul 8 

1. NO TERCEIRO ANO do reinado de Belsazar, eu tive outra visão, parecida com a primeira.

2. Na minha visão, eu me achava na cidade de Shushã, uma das capitais do império, que fica na província de Elão. Eu estava em pé, junto ao rio Ulai. 

3. Ao olhar em volta, vi um carneiro na outra margem do rio. Ele tinha dois chifres e eu, percebi que um dos chifres se tornou maior que o outro. 

4. O carneiro atacava com chifradas tudo o que estava à sua volta. Ninguém conseguia resistir ao carneiro nem salvar suas vítimas. Ele fazia o que bem queria e cresceu muito.

5-6. Enquanto eu olhava para o carneiro e pensava no que aquilo poderia significar, apareceu de repente, do oeste, um bode. Ele corria tão depressa que nem chegava a tocar no chão. Esse bode tinha um grande chifre, bem entre os olhos, e atacou furiosamente o carneiro de dois chifres. 

7. Ele estava muito bravo e quebrou os dois chifres do carneiro, que não tinha, forças para resistir. O bode derrubou e pisou o carneiro, que não tinha ninguém para o ajudar.

8. O vencedor ficou muito poderoso e orgulhoso, mas quando estava no máximo de seu poder, o grande chifre foi quebrado e em seu lugar apareceram quatro chifres menores, apontando para quatro direções diferentes. 

9. Um desses chifres, começou a crescer bem devagar, mas logo se tornou forte. Ele atacou o sul e o leste, fazendo guerra contra Yaoshor’ul.

10. Lutou, contra o povo do ETERNO e derrotou alguns, dos líderes yaohu’dins. 

11. Chegou a desafiar o Comandante do exército dó Céu, interrompendo os sacrifícios que eram oferecidos diariamente ao CRIADOR e manchando a pureza do seu Templo. 

12. Apesar desses pecados terríveis, o CRIADOR não deixou o exército do Céu castigar o chifre. O resultado disso foi que a verdade e a justiça desapareceram e a maldade se espalhou.

13. Então ouvi dois Anjos conversando. O primeiro dizia: Quanto tempo vai passar até que o sacrifício diário volte a ser oferecido? Quando é que a destruição do Templo vai ser vingada? Quando o povo do ETERNO vai vencer a sua luta?

14. E o outro Anjo respondeu: Isso ainda vai demorar dois mil e trezentos dias para que o santuário seja purificado.

15-16. Eu me esforcei para entender o que significava a visão. De repente, apareceu na minha frente um Homem: Ou pelo menos parecia um homem – e ouvi uma voz de homem, vinda da outra margem do rio: Gabriel, ensine a Dayan’ul o significado da visão.

17. Então, Gabriel/Gabor’ul começou a andar em minha direção. Mas eu fiquei tão apavorado que caí por terra e escondi o rosto. Filho do homem, ele disse, você precisa saber que essa visão só vai acontecer no fim dos tempos.

18-19. Aí eu desmaiei, caído de bruços no chão. Mas Gabriel/Gabor’ul me tocou, me ajudou a levantar e disse: Eu estou aqui para dizer a você o que vai acontecer nos últimos dias de um período terrível: porque o que você viu vai acontecer no fim da história do mundo.

20-21. Os dois chifres do carneiro que você viu são os reis da Média e da Pérsia e aquele bode peludo é a Grécia e o grande chifre entre os olhos do bode é o primeiro rei daquele país. 

22. Você viu o chifre ser quebrado e quatro chifres menores aparecerem em seu lugar; isso significa que o império grego será dividido em quatro partes, cada uma com seu rei. Mas nenhum deles será tão poderoso como o primeiro, o grande chifre.

23. Quando esses reinos estiverem chegando ao seu fim, quando a lei e a moral já não forem respeitadas, vai subir ao poder um rei muito mau, muito inteligente, mestre em fazer tratos e não cumprir.

24. Ele será muito poderoso, mas terá um poder que vem do diabo. Será bem sucedido em tudo o que fizer. Destruirá todos os seus inimigos, mesmo se tiverem grandes exércitos. Além disso, fará muito mal ao povo do ETERNO.

25. Será tão bom em mentiras e enganos que vai derrotar muitos inimigos, apanhando-os desprevenidos, enquanto pensam que estão em segurança. Ai, ele se achará tão poderoso que vai tentar vencer o Grande Príncipe numa batalha. Mas, quando isso acontecer, ele vai ser destruído pela mão do ETERNO, já que nenhum homem foi capaz de vencê-lo.

26. Depois disso, em seu sonho, você ouviu falar de dois mil e trezentos dias até o povo poder adorar ao CRIADOR novamente. Esse número é exato, nem um dia a mais ou a menos. Mas essas coisas só vão acontecer daqui a muito tempo. Por isso, você não deve contar o seu sonho a ninguém. 

27. Por causa de tudo isso, eu fiquei fraco e doente por vários dias. Depois, quando melhorei, voltei a tratar dos negócios do rei. Mas ainda estava perturbado com minha visão, sem conseguir entendê-la direito.

Dayan’ul 9

1-2. NO PRIMEIRO ANO do reinado do rei Dário/Dariávesh, o filho de Assuero/Akashverósh – ele era um Medo, mas foi indicado para rei dos caldeus, eu, Dayan’ul, descobri lendo o livro do profeta Yarmi’yaohuh, que Yah’shua-oleym havia de Ficar destruída por setenta anos.

3-4. Por isso pedi ao CRIADOR, com muita insistência, para dar fim à nossa escravidão e nos mandar de volta para nossa terra. Orei, jejuei e usei panos de saco como roupa. Joguei cinza sobre a cabeça e confessei os meus pecados e os pecados do Meu povo. Oh CRIADOR, eu orei, o CRIADOR é um UL grande e impressionante; o CRIADOR sempre cumpre suas promessas de amor às pessoas que O amam e obedece Suas Leis. 

5. Mas nós, nós temos pecado demais. Nós fomos rebeldes com o CRIADOR e fizemos pouco de Seus mandamentos. 

6. Nós nem quisemos ouvir os seus servos, os profetas, que o CRIADOR mandou tantas vezes para avisar aos nossos reis, príncipes de todo o povo.

7. Oh, o CRIADOR é justo. Nós é que somos pecadores, tão pecadores que ficamos até envergonhados, como está acontecendo agora. Sim, todos nós: Os homens de Yaohu’dah, os moradores de Yah’shua-oleym e todo o povo judaico, espalhados por causa de nossa infidelidade. 

8. Ó CRIADOR, nós, nossos reis e nossos príncipes estamos morrendo de vergonha por causa de todos os nossos pecados.

9. Mas o CRIADOR, nosso UL, é cheio de amor e perdoa até aqueles que se revoltam contra Ele.

10. Ó CRIADOR nosso UL, nós fomos desobedientes e zombamos das leis que o CRIADOR nos deu pelos Seus servos, os profetas. 

11. Todo o povo de Yaoshor’ul desobedeceu, e se desviou; nenhum judaico quis ouvir a sua voz. Por isso, a terrível maldição do CRIADOR caiu sobre nós: a maldição que Mehu’shua, o servo do ETERNO, descreveu na Lei. 

12. O CRIADOR fez exatamente o que nos avisou que iria fazer contra o povo e os líderes. Nunca, em toda a história humana, aconteceu um desastre tão terrível quanto a destruição de Yah’shua-oleym e de seus habitantes! 

13. Tudo aconteceu exatamente como Mehu’shua escreveu na Lei. Todos os males que ele tinha profetizado, aconteceram conosco! Assim mesmo, nós teimamos e continuamos a cometer pecados, sem pedir perdão ao CRIADOR, e sem voltar a fazer o que agrada a Ele.

14. Por isso, de propósito, o CRIADOR provocou essa terrível tragédia que quase destruiu nosso povo. Ele é justo em tudo o que faz. Também em nos castigar, porque nós desobedecemos as suas ordens.

15-16. O nosso UL tornou o Seu Nome famoso e respeitado quando tirou o Seu Povo do Egypto, mostrando grande poder. Faça isso novamente, CRIADOR! Embora nós tenhamos pecado tanto, embora estejamos cheios de maldade, mesmo assim, CRIADOR, por causa da sua justiça e do seu amor, deixe de lado a sua ira contra Yah’shua-oleym, a sua cidade, o seu monte Santo! Agora, os povos vizinhos vivem rindo de nós por causa do que aconteceu a Yah’shua-oleym, como resultado de nossos pecados.

17. Ó, nosso UL, ouça a oração do seu servo! Escute os meus pedidos! Demonstre mais uma vez o seu amor pelo seu Templo destruído: para sua própria glória, CRIADOR!

18. Ó meu UL, vire-Se para mim e ouça a minha oração. Abra seus olhos e veja a nossa desgraça, veja a nossa cidade: a sua cidade: completamente destruída! Nós não estamos pedindo porque somos bons ou merecemos alguma coisa. Pedimos porque o CRIADOR é muito bondoso, apesar de todo o nosso terrível pecado!

19. Ó CRIADOR, escute! Ó CRIADOR, perdoe! ó CRIADOR, ouça o que eu peço e faça alguma coisa! Não Se demore, ó meu UL, porque todos chamam os yaohu’dins e Yah’shua-oleym pelo seu nome.

20. Enquanto eu ainda estava orando, confessando o meu pecado e o pecado do meu povo e pedindo ao CRIADOR por Yah’shua-oleym, o Seu Santo Monte, 

21. Gabriel/Gabor’ul, a quem eu tinha visto na minha visão anterior, voou rapidamente e me tocou, na hora do sacrifício da tarde. 

21. Dayan’ul, ele me disse, eu vim para ajudá-lo a entender os planos do CRIADOR. 

23. No instante em que você começou a orar, foi dada uma ordem. Eu vim para explicar a você o que você viu, anteriormente, porque o CRIADOR tem um amor muito especial por você. Escute e procure entender a visão que você teve.

24. O CRIADOR determinou quatrocentos e noventa anos para Yah’shua-oleym e Seu Povo pararem de pecar. Assim, eles terão que aprender a se afastar do pecado; e sendo assim, toda a culpa dos yaohu’dins será apagada. Então, o reino da eterna justiça começará sobre a Terra e o lugar mais Santo, no Templo em Yah’shua-oleym, será novamente dedicado, como os profetas anunciaram. 

25. Agora ouça bem! Vão passar quarenta e nove anos mais quatrocentos e trinta e quatro anos a partir do dia em que for assinado o decreto para a reconstrução de Yah’shua-oleym até a chegada do Ungido! O povo judaico vai passar por maus momentos, mas Yah’shua-oleym vai ser reconstruída, seus muros e suas ruas.

26. Depois desse período de quatrocentos e trinta e quatro anos, o Ungido será morto sem ainda estabelecer o Seu reino... e vai surgir um rei que, com seus exércitos que destruirá a cidade e o Templo. Serão destruídos como que por uma inundação. Até o fim dos tempos estão determinadas guerras e todos os sofrimentos que elas trazem. 

27. Veja, Ele, o Criador, fez um acordo com o Seu povo, de sete anos; mas, depois de decorrer metade desse tempo, os sacrifícios e as ofertas de manjares serão tirados; posteriormente, com o acúmulo das suas terríveis ações, o inimigo profanará completamente o Templo. Mas, quando chegar o tempo determinado nos planos do ETERNO, o julgamento do Criador será derramado sobre esse assolador.

Dayan’ul 10

1. NO TERCEIRO ANO do reinado de Ciro/Kerosh, rei da Pérsia, Dayan’ul também chamado Beltessazar, teve outra visão. Essa visão mostrava alguns fatos que, com toda a certeza, iriam acontecer no futuro. Tempos muito difíceis que haviam de vir, de guerra e sofrimento. Desta vez Dayan’ul entendeu perfeitamente a visão.

2. Eu tive a visão, Dayan’ul contou mais tarde, depois de passar três semanas lamentando. 

3. Durante essas três semanas não comi nada, nem carne nem vinho, nem as gostosas sobremesas do palácio. Também não me lavei, barbeei, nem penteei meu cabelo.

4. Então um dia, no começo do mês de Abril, eu estava andando pela margem do grande rio Tigre. 

5-6. Olhei para cima e vi um Homem vestido com uma roupa de linho, usando um cinto de ouro puro. A pele desse homem brilhava; do seu rosto saía uma luz parecida com a dos relâmpagos e os seus olhos eram chamas de fogo. Os seus braços e pés pareciam feitos de bronze polido, de tanto que brilhavam, e quando ele falou, eu tive a impressão de estar ouvindo uma grande multidão.

7. Somente eu, Dayan’ul, enxerguei aquela visão; os meus companheiros não viram coisa alguma, mas, de repente, ficaram completamente apavorados e, correndo, procuraram um lugar para se esconder.

8. Com isso, eu fiquei sozinho. Quando vi aquela pessoa tão impressionante, perdi completamente as forças, fiquei sem cor, pronto a desmaiar de tanto medo!

9. Quando ele falou comigo, desmaiei com o som da sua voz, caindo ao chão, batendo com o rosto na terra. 

10. Mas uma mão me tocou e me levantou, deixando me apoiado nos joelhos e nas mãos. 

11. Aí, ouvi uma voz que dizia: Dayan’ul, homem que o CRIADOR ama muito, levante-se e ouça o que vou dizer, porque o CRIADOR me mandou falar com você. Então me levantei, ainda tremendo de medo.

12. Ele continuou e disse: Não fique assustado, Dayan’ul. Os seus pedidos foram ouvidos no céu e respondidos no primeiro dia! Quando você começou a jejuar diante do ETERNO e a orar pedindo sabedoria, eu fui enviado para encontrá-lo. 

13. Mas durante vinte e um dias o poderoso Espírito do Mal que domina o reino da Pérsia me impediu. Foi então que Miguel/Mikha’ul, um dos ANJOS mais importantes, veio me ajudar. Assim, eu consegui vencer os maus espíritos que mandam no reino da Pérsia.

14. Eu vim para contar a você o que vai acontecer ao Seu Povo, os yaohu’dins, no fim da história: porque o cumprimento desta profecia ainda está muito longe.

15. Enquanto ele falava, eu olhava para o chão, sem poder dizer uma única palavra. 

16. Aí alguém, que parecia ser um Homem, tocou a minha boca e voltei a falar. Então disse àquele mensageiro celeste: Meu mestre [maoro’eh], fiquei com muito medo ao vê-lo. Perdi as forças, completamente. 

17. Como é que uma pessoa como eu pode falar com o meu mestre [maoro’eh]? Não tenho mais forças, não consigo nem respirar! 

18. Então aquele alguém que parecia ser um Homem me tocou mais uma vez e senti minhas forças voltarem. 

19. O CRIADOR o ama muito, ele me disse. Não tenha medo! Fique calmo. Seja forte: forte, entendeu? Quando ele falou isso, eu me senti forte como nunca e disse a ele: Agora o mestre [maoro’eh] pode continuar a falar, porque me fez ficar forte novamente.

20-21. Ele respondeu: Você sabe por que eu vim até aqui? Vim para contar a você o que está escrito no Livro da Verdade. Depois, quando eu partir, terei de lutar novamente contra o príncipe da Pérsia, e depois contra o príncipe da Grécia. E o único que vai me ajudar nessa luta é Miguel/Mikha’ul, o ANJO que protege o Seu Povo, Yaoshor’ul.

Dayan’ul 11

1. NO PRIMEIRO ANO do reinado de Dário/Dariávesh, o medo, eu fui mandado para animá-lo e ajudá-lo. 

2. Agora vou mostrar a você o que vai acontecer no futuro. A Pérsia ainda vai ter três reis. Estes, serão seguidos por um quarto rei, mais rico que todos eles. Ele vai usar sua riqueza para formar um grande exército e tentará destruir a Grécia.

3. Depois disso, um grande rei vai surgir, e dominar um enorme império. Tudo que desejar fazer, ele vai conseguir.

4. Mas, quando estiver no máximo do poder, seu reino será quebrado e dividido em quatro partes mais fracas. Esses quatro novos reinos não vão ser dominados pelos filhos do grande rei. O seu reino será arrancado e entregue a outros, fora da sua família. 

5. Um desses novos reis, o rei do Egypto, criará uma nação poderosa, mas seus generais vão se revoltar. O rei perderá o trono, porém os generais acabarão deixando o reino ainda mais forte que antes.

6. Muitos anos depois, o rei do Egypto e o rei da Syria farão um tratado de paz. Como prova de amizade e confiança, a filha do rei do Egypto se casará com o rei da Syria. Mas logo, ela perderá sua influência sobre o marido e suas esperanças, as esperanças de seu país, irão por água abaixo. 

7. Porém, quando seu irmão se tornar rei do Egypto, fará guerra contra o rei da Syria e vencerá, entrando na sua fortaleza. 

8. Ao voltar para o Egypto, levará os ídolos e imagens dos syrios. Além disso, levará para sua terra muitos objetos de ouro e de prata. Depois, haverá paz entre o Egypto e a Syria por alguns anos.

9. Após esse período de paz, o rei da Syria fará um ataque rápido contra o Egypto, mas voltará depressa para sua terra. 

10. Porém os filhos desse rei vão montar um grande exército e passando por Yaoshor’ul atacarão as fortalezas do Egypto. 

11. O rei do Egypto vai reagir valentemente, atacando e derrotando o grande exército do rei da Syria. 

12. Então, cheio de orgulho, o rei do Egypto mandará matar milhares de soldados inimigos. Apesar disso, a alegria da vitória vai durar pouco tempo.

13. Alguns anos depois [tempos], o rei da Syria voltará à guerra, com um exército maior e mais bem treinado que o anterior. 

14. Além disso, outras nações vão ajudar a Syria nessa guerra contra o Egypto. Até alguns yaohu’dins revoltados vão se juntar a esse exército, para cumprir a profecia, mas não conseguirão nada com isso. 

15. O rei da Syria e seus aliados cercarão algumas fortalezas do Egypto e vencerão as batalhas. Os orgulhosos soldados do Egypto serão completamente derrotados, e os melhores deles não resistirão.

16. O rei da Syria continuará avançando com seus exércitos e ninguém será capaz de deter o seu avanço. Ele invadirá a Terra Gloriosa, Yaoshor’ul, e levará consigo todas as riquezas dos yaohu’dins. 

17. Para conquistar completamente o Egypto, ele tentará fazer um tratado com o rei egypcio: a filha do rei da Syria se casará com o rei do Egypto. Ela será uma espiã para seu pai, mas o plano não vai dar resultado.

18. Depois disso, esse rei atacará as cidades do litoral e conquistará muitas delas. Mas, um certo general vai derrotá-lo numa batalha, fazendo seu exército voltar para a Syria, envergonhado. 

19. Durante a volta para sua terra, uma surpresa vai acontecer e esse rei vai desaparecer, de repente.

20. O rei que virá depois dele será lembrado como o rei que mandou um cobrador de impostos para a terra de Yaoshor’ul. O seu reinado será curto e ele morrerá misteriosamente, mas não nas guerras e nos conflitos.

21. O rei que virá a seguir será um homem muito mau, a quem o reino não pertencerá por direito de família. Ele se tornará rei fazendo intrigas, em pleno tempo de paz. 

22. Ao se tornar rei, vai eliminar todos os seus inimigos, inclusive o principal sacerdote de Yaoshor’ul. 

23. As promessas desse rei não valerão coisa alguma! Sua maneira de conseguir realizar a sua vontade será a mentira. Mesmo tendo poucos seguidores, ele se tornará um rei muito poderoso. 

24. Ele invadirá as terras mais ricas sem aviso e fará algo que nunca tinha sido feito antes: vai dividir as terras dos ricos com o povo. Conseguirá conquistar muitas fortalezas poderosas, mas isso durará pouco tempo. 

25. Depois disso, mais animado, formará um grande exército para atacar o Egypto. Por seu lado, o Egypto também vai formar grandes tropas para a luta, mas apesar disso, os planos secretos do rei da Syria darão resultado.

26. Espiões do rei da Syria que viviam no próprio palácio do rei do Egypto causarão a derrota dos egypcios; o exército do Egypto vai perder muitos soldados, mortos, feridos e que fugiram do combate.

27. Quando estiverem reunidos para tratar da paz, esses dois reis farão planos para enganar um ao outro. Isso não vai adiantar nada, porque o CRIADOR já planejou o resultado daquelas guerras.

28. O rei da Syria voltará para sua terra carregado de riquezas. Passará por Yaoshor’ul e fará grandes estragos, matando e destruindo. 

29. Depois, na hora exata marcada pelo CRIADOR, ele voltará a atacar o Egypto. Dessa vez, porém, a história vai ser diferente. 

30. Aparecerão no Egypto alguns navios de guerra vindos de Roma; ele ficará com medo e voltará para sua terra. Furioso por ter sido obrigado a fugir da batalha, o rei da Syria atacará Yah’shua-oleym mais uma vez e vai desrespeitar o Templo, obrigando os yaohu’dins a parar com os sacrifícios diários e adorando ídolos dentro do Templo. 

31. Quando partir, deixará no governo de Yaoshor’ul, yaohu’dins que não amam ao CRIADOR: homens que abandonaram a fé de seus pais. 

32. Ele prometerá muitas vantagens aos que não dão importância as coisas do ETERNO, e assim eles passarão a colaborar com a Syria. Apesar disso, as pessoas que conhecem o seu UL serão corajosas e farão grandes coisas!

33. Os homens que compreenderem as verdades espirituais ensinarão muita gente naqueles dias. Mas, estarão sempre correndo grande perigo! Muitos morrerão queimados; outros morrerão pela espada; alguns serão presos, sequestrados e roubados. 

34. De vez em quando eles receberão ajuda, muito pequena. Mas alguns desses amigos serão falsos, fingindo ajudar, mas querendo na verdade tirar proveito para si mesmos.

35. Alguns desses homens que entendem melhor as coisas espirituais tropeçarão e cairão. Mas isso vai servir para deixá-los mais firmes, mais puros e limpos até chegar o fim de seus sofrimentos, no dia exato em que o CRIADOR planejou.

36. Esse rei fará o que bem entender, dizendo ser maior que todos os ídolos, ofendendo terrivelmente o Grande CRIADOR e aumentando o poder: até que chegue a sua hora. Isso porque os planos do ETERNO nunca podem ser mudados. 

37 Ele não terá o mínimo respeito pelos ídolos de seus pais, nem pelo criador preferido das mulheres, nem dará importância a qualquer criador que apareça. Dirá que é maior que todos os ídolos! 

38. O único ídolos que ele adorará será o ídolo da Guerra: um ídolo que seus pais nunca adoraram – a quem ele oferecerá grandes riquezas! 

39. Dizendo que é protegido por esse ídolo, ele conseguirá grandes vitórias contra os seus inimigos. Aos que obedecerem suas ordens, ele dará posições importantes no seu reino e grandes áreas de terra!

40. Quando o fim da história estiver chegando, o rei do Sul atacará esse mau rei. Além disso, o rei do Norte também lutará contra ele, com um grande exército e muitos navios, invadindo e destruindo algumas de suas terras. 

41. O mau rei reagirá invadindo muitas terras, incluindo Yaoshor’ul, a Terra Gloriosa. Somente Moabe, Edom e parte da terra de Amom escaparão a essa invasão. 

42. O Egypto e muitos outros países serão conquistados. 

43. O mau rei tomará para si todos os tesouros do Egypto; a Líbia e a Etiópia obedecerão suas ordens.

44. Mas do leste e do norte, virão más notícias, que deixarão o mau rei muito preocupado. Cheio de ódio ele voltará a Yaoshor’ul, planejando destruir todos os seus inimigos. 

45. Montará o seu quartel general entre Yah’shua-oleym e o mar, mas a sua hora chegará. Ele será destruído e ninguém poderá socorrê-lo.

Dayan’ul 12

1. NESSA ÉPOCA, MIKHA’UL o Príncipe dos ANJOS, que protege o povo de Yaoshor’ul, se levantará e lutará contra forças espirituais do mal para defender os yaohu’dins, e haverá aqui na terra um tempo de terrível sofrimento para Yaoshor’ul, um sofrimento que os yaohu’dins nunca passaram antes. Mas todos os yaohu’dins que tiverem seu nome inscrito no Livro da Vida serão salvos quando o sofrimento acabar.

2. E muitas pessoas cujos corpos estão enterrados, ressuscitarão. Alguns receberão a vida eterna; alguns receberão o castigo e a vergonha, eternamente.

3. Então os sábios: O verdadeiro povo do ETERNO: brilharão como o sol e os que fizerem outras pessoas obedecer ao CRIADOR, brilharão para sempre como as estrelas.

4. Mas você, Dayan’ul, guarde segredo sobre essa profecia. Deixe-a selada para que ela só seja entendida perto do fim dos tempos, quando a ciência e o conhecimento se espalharão por todo o mundo!

5. Então eu, Dayan’ul, olhei e vi dois Homens, um em cada margem do rio. 

6. E um desses dois perguntou ao que estava vestido de roupas de linho e se achava sobre as águas do rio: Quanto tempo vai passar até essas coisas tremendas acontecerem?

7. Ele respondeu, levantando as mãos para o céu e jurando por Aquele que Vive para sempre, que tudo isso aconteceria depois do povo do ETERNO ter perdido o seu poder, por três anos e meio.

8. Eu ouvi o que ele disse, mas não entendi o que ele queria dizer. Então perguntei: Meu mestre [maoro’eh], em que vai dar tudo isso?

9. Ele me respondeu: Deixe isso comigo, Dayan’ul. O que Eu falei só vai ser entendido quando chegar o Fim dos Tempos. 

10. Muitos serão purificados por grandes sofrimentos e perseguições. Os perversos, entretanto, continuarão a fazer o mal e nunca entenderão esta profecia. Só os que querem mesmo aprender compreenderão o que ela significa.

11. A partir do dia em que os sacrifícios diários forem interrompidos e a Imagem Horrível for colocada no Templo para ser adorada, haverá ainda 1290 dias.

12. Felizes serão as pessoas que esperam e ficam firmes até o 1335º dia!

13. Você, Dayan’ul, deve levar sua vida normalmente, até o fim. O dia do seu descanso vai chegar, mas depois de muito tempo você vai ressuscitar para receber o seu justo prêmio.

ADICIONANDO UM ATALHO PARA O NOSSO SITE NA TELA DO SEU MOBILE
Primeiro, acesse o navegador da sua preferência e entre na nossa página para você adicionar o atalho na home do seu Android. Em seguida, pressione o botão de Opções do aparelho e escolha a alternativa “Mais”... 

Então, pressione a opção “Adic. Atalho à tela inicial”. Em alguns aparelhos, a opção de adicionar à página inicial pode ser exibida diretamente no primeiro menu de contexto presente na tela, sem a necessidade de ter que passar pela opção “Mais”.
Prontinho! 

Feito isso, o seu atalho já aparece devidamente adicionado à tela inicial do aparelho. 

OBS: Se necessário, renomeie o atalho para "CYC"

ENDEREÇO
Rua Cel Bento Pires, 1001 - Centro
18.275-040 - TATUÍ/SP

CONTATO
E-mail: cyocaminho@gmail.com
Celular: (15) 9 8800-1763 [OI]
                      9 8121-3482 [TIM]
                  9 9781-0294 [VIVO]
             9 9191-8612 [CLARO]
 

LINKS or PC

www.cyocaminho.com.br

[...e conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará - Jo 8:32]

  • CYC Editora
  • [ESN - Escrituras Sagradas segundo oNome]
  • FATCYC
  • [Faculdade de Teologia by CYC]

© oCaminho - 2005-2017d.Y                  .


Shua'oleym! Em breve responderemos; acesse a sua caixa de e-mail... Rosh Yaosh Edisom